As correntes de pensamento norteiam a história e o desenvolvimento da humanidade. Por isso, muitos vestibulares cobram um conhecimento prévio sobre os diversos pensamentos político-sociais: socialismo, liberalismo, absolutismo, marxismo, entre outros.

No artigo a seguir, o Estratégia Vestibulares preparou um resumo sobre os principais ideais marxistas. Acompanhe!

O que é Marxismo?

O marxismo é um método de estudo das sociedades que abrange as organizações sociais, econômicas e políticas de cada época. Dada as diversas áreas que compõem o conceito de marxismo, ele é estudado por filósofos, políticos, economistas e sociólogos.

Origem do Marxismo

No momento de surgimento das ideias marxistas, o mundo passava pela Revolução Industrial, no século XIX. Na busca de interpretar e criticar o mundo capitalista, os pensadores Karl Marx e Friedrich Engels participaram da constituição do socialismo e das ideias revolucionárias do marxismo.

É válido lembrar que, embora Marx e Engels tenham formulado as teorias marxistas, não foram eles que criaram o termo “marxismo”. A palavra só surgiu com pesquisadores que analisaram a obra dos teóricos anos depois da publicação das obras marxianas.

Qual é a teoria marxista?

Na corrente de pensamento marxista, a análise é feita a partir de uma interpretação materialista das relações. Para os estudiosos, a forma como os donos do meios de produção se relacionam com os outros cidadãos determina toda a organização social. 

Para compreender essa concepção, eles criaram os conceitos de estrutura e superestrutura. No qual a estrutura social é o esqueleto da relação entre patrões e empregados e é ela quem definirá a superestrutura. 

A superestrutura, por sua vez, é tudo aquilo que fica em volta da estrutura. Ou seja, a 

hierarquia social, os hábitos, a cultura material e imaterial, as religiões, costumes e etc.

Ao mesmo tempo, o marxismo contém o conceito de materialismo dialético, que demonstra uma contradição entre os interesses dos dominantes e dos dominados. Essa é a luta de classes, que mostra um embate entre as classes sociais divergentes, como os pobres e ricos, burgueses e proletariado, etc.

Para a solução desse problema, existe a concepção de práxis que prega uma transformação material da sociedade. Assim, o marxismo não deveria “parar” na constituição teórica, mas progredir para a aplicação prática de seus ideais.

Marxismo cultural

Com a polarização da política, no final do século XX, muitos setores da sociedade consideram que o marxismo seja uma corrente esquerdista. Nesse sentido, os filósofos da Escola de Frankfurt foram tidos como “implementadores do esquerdismo na sociedade capitalista ocidental”. 

Assim surgiu o conceito de marxismo cultural, que seria uma forma adaptada de marxismo que se encaixa e se difunde na camada social mais liberalista, capitalista e de moral conservadora. Segundo os criadores, o principal objetivo do marxismo cultural é homogeneizar os valores e criar um ambiente multicultural, que não agrada os conservadores da extrema direita.

Quais as características do Marxismo?

A principal característica do marxismo é a busca da revolução do proletariado, já que essa classe social era explorada pela burguesia dominante. Nesse contexto, os sindicatos de trabalhadores foram muito fortalecidos, porque empenharam mudanças e melhorias no cotidiano fabril.

As principais ondas revolucionárias acreditavam que os meios de produção deveriam ser socializados, com a quebra do sistema explorador capitalista. Nesse caso, todas propriedades privadas seriam controladas pelo governo, que é um Estado socialista e muito forte, com o dever de repartir homogênea e  igualitariamente todos os recursos da sociedade.

Mais-Valia

O conceito de mais-valia é composto pela ideia de que, quando trabalha, o homem vende sua força de trabalho em troca de dinheiro. A questão mais importante é que a mercadoria produzida é muito mais cara do que o valor recebido pelo trabalhador

Para o melhor entendimento, imagine que um funcionário receba um real por sola de sapato construída. Ao mesmo tempo, o dono da fábrica de sapatos estará recebendo 150 reais por sapato vendido. Com essa analogia, você pode perceber que possuir o meio de produção se torna mais valioso e lucrativo do que a sabedoria de construir uma parte da mercadoria

Alienação 

Enquanto está sujeito ao conceito de mais-valia, o trabalhador também é alienado sobre o produto que constrói. Isso acontece porque, nas fábricas, o processo de produção é segmentado.

Com o mesmo exemplo do tópico anterior, note que o proletário que produz a sola do sapato, não sabe como costurar o couro do mesmo sapato. Dessa forma, o empregado não detém conhecimento sobre toda a técnica produtiva – o que o afasta de uma potência revolucionária.

Fetichismo

Para os marxistas, após a revolução industrial, os produtos e mercadorias apresentavam mais valor que os próprios indivíduos que os fabricavam.

Para esse ponto de vista, foi dado o nome de fetichismo, que compreende a desvalorização do ser humano, com a “personificação” do produto – como se as mercadorias tivessem existência inata e sem a dependência de um humano fabricador.

Diferença entre socialismo e marxismo

Os marxistas acreditam que o Estado socialista é a melhor forma de organização social, com a presença da propriedade comunitária. Assim, o socialismo é a estrutura política que o  marxismo adequa para a construção de uma conjuntura social, política e econômica mais igualitária.

Gosta de história e organização social? Acompanhe as páginas de Sociologia e História do Blog do Estratégia Vestibulares e tenha acesso a mais conteúdos como esse!

Para conhecer nossos cursos preparatórios para o vestibular e obter mais informações, clique no banner abaixo:

marxismo - Estratégia Vestibulares
0 Shares:
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode gostar também