Última atualizaçao em: 05 de Novembro de 2020, ás 20:08

Olá, caro aluno, tudo bem? O meu nome é Luana. Sou Mestra em Literatura e Práticas Sociais pela Universidade de Brasília (UnB) e Doutoranda em Teoria e História Literária pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Escrevo este artigo para resolver e comentar as questões da prova do Vestibular da UECE 2020. Você também pode baixar gratuitamente a resolução da prova de Português em PDF. Vamos lá?

Prova UECE 2020

TEXTO 1 (NÚMERO DE LINHAS ADAPTADO)

Obras de Monteiro Lobato entram para domínio público

Saiba o que muda e quais repercussões isso poderá ter na relação dos leitores com as obras do escritor

1Ele dá nome a ruas, escolas e bibliotecas por todo o Brasil. O Dia Nacional do Livro Infantil, comemorado em 18 de abril, homenageia a data de nascimento desse escritor, autor de mais de 50 livros que mexeram, como ninguém, com o imaginário de crianças e jovens de todo o Brasil. A personalidade em destaque é Monteiro Lobato, cujas obras ingressaram em domínio público em 1º 5de janeiro deste ano.

“Quando a obra ingressa no domínio público, qualquer pessoa pode utilizá-la, fazer adaptações, traduzir, veicular, imprimir, ou seja, fazer qualquer tipo de uso econômico sem ter de pedir autorização prévia para o autor ou titular de direitos”, explica a diretora da Secretaria de Direitos Autorais e Propriedade Intelectual da Secretaria Especial da Cultura do Ministério da 10Cidadania, Carolina Panzolini. […] A legislação brasileira estipula o prazo de 70 anos a partir de 1º de janeiro ao ano subsequente à morte do autor para que as obras dele entrem em domínio público.

Especialista na obra de Monteiro Lobato, a professora de Literatura Brasileira Milena Ribeiro Martins, da Universidade Federal do Paraná, acredita que o ingresso da obra do escritor paulista em domínio público vai aumentar a atenção do público e reaquecer o interesse pela obra de Lobato. […] 15“O número de leitores de Lobato tende a aumentar porque, comercialmente, vai haver novas edições e o número de criações com base na obra de Lobato deve aumentar”, avalia.

Milena defende que, apesar de alguns terem quase 100 anos, os livros de Lobato, em especial os voltados ao público infantil, podem ser muito atraentes para os jovens leitores que vivem cercados de experiências multimídias. “Há um misto de fantasia, de ciência, de imaginação e de 20criatividade na obra do Lobato, que ainda é atraente para as crianças”, argumenta.

[…]

Uma das ousadias de Lobato foi, em uma época em que o conservadorismo era grande, dar voz às crianças, que não costumavam ter espaço na maioria das famílias para expor seus pensamentos. “Ele não vai pensar numa criança simplesmente obediente, mas ele vai pensar numa criança reflexiva, criativa, produzindo novos significados para o seu momento histórico. E, nesse 25sentido, ele muda muito a literatura nacional e discute produção literária estrangeira dentro da sua obra”, destaca a especialista.

CAMPANERUT, Camila. Obras de Monteiro Lobato entram para domínio público. Brasília: Ministério da Cidadania, 2019. Disponível em: http://cultura.gov.br/obras-demonteiro-lobato-entram-para-dominio-publico/. Acesso em: 30/08/2019.

Questão 01

Os textos de Monteiro Lobato entraram para domínio público desde 1º de janeiro deste ano, o que pode acarretar mudanças no cenário da literatura nacional. Dessa forma, segundo o texto 1, sobre a obra do referido autor, é INCORRETO afirmar que

A) poderá ocasionar uma ampliação do público leitor de Monteiro Lobato.

B) transformar-se-á em publicações através de experiências multimidiáticas.

C) não necessitará de autorização do titular dos seus direitos para sua utilização.

D) poderá haver um acréscimo de criações baseadas na obra do autor.

Resolução Comentada

Alternativa “a”: correta. Segundo a especialista na obra de Monteiro Lobato, a professora de Literatura Brasileira Milena Ribeiro Martins, da Universidade Federal do Paraná: “o número de leitores de Lobato tende a aumentar” (l. 15).

Alternativa “b”: incorreta – gabarito. Atenção: o 4ª parágrafo vai tratar do fato de as obras de Monteiro Lobato trabalharem com questões como fantasia, ciência, imaginação e criatividade, o que pode ser interessante para crianças, mesmo que elas vivam cercadas de experiências multimídias.

Alternativa “c”: correta. Conforme Carolina Panzolini, diretora da Secretaria de Direitos Autorais e Propriedade Intelectual da Secretaria Especial da Cultura do Ministério da Cidadania, qualquer pessoa pode utilizar obras de escritos que caíram no domínio público “sem ter de pedir autorização prévia para o autor ou titular de direitos” (l. 7-8).

Alternativa “d”: correta. Ainda de acordo com Milena Martins, não só o público leitor de Monteiro Lobato irá aumentar com seu ingresso no domínio público como também “o número de criações com base na obra de Lobato deve aumentar” (l. 16).

Gabarito: B

Questão 02

Desde 1º de janeiro de 2019, não há mais necessidade de pedir autorização para utilizar as obras de Monteiro Lobato, porque

A) os leitores estão cercados de experiências multimidiáticas.

B) os livros desse autor são atraentes para crianças e jovens.

C) a data do nascimento do autor é marcada como o Dia Nacional do Livro Infantil.

D) o ano anterior a esta data indica que decorreram 70 anos da morte do autor.

Resolução Comentada

Alternativa “a”: incorreta. Os leitores cercados de experiências multimidiáticas ainda continuam se interessando pela obra de Monteiro Lobato, mesmo suas obras sendo antigas.

Alternativa “b”: incorreta. O fato de as crianças e jovens serem atraídas pela obra de Monteiro Lobato fez com que sua data de nascimento fosse transformada também no Dia Nacional do Livro Infantil.

Alternativa “c”: incorreta. Cuidado: esse é um fato explicitado pelo texto, mas esta não é a causa para não ser mais preciso pedir autorização para utilizar as obras de Monteiro Lobato. Trata-se de uma questão de conectivo, e era necessário analisar o valor semântico da conjunção “porque”.

Alternativa “d”: correta – gabarito. O que significa dizer que este escritor em particular caiu no domínio público. Antes desse prazo específico, a família se mantém sendo a portadora dos direitos autorais do(a) escritor(a) segundo as leis de Direito Autoral.

Gabarito: D

Questão 03

O texto 1 defende um ponto de vista e, para isso, apresenta fatos e opiniões. Sobre esse aspecto, assinale a opção que se apresenta como opinião utilizada para defender o ponto de vista do autor.

A) O autor Monteiro Lobato dá nome a ruas, escolas e bibliotecas por todo o Brasil.

B) O Dia Nacional do Livro Infantil homenageia a data de nascimento de Monteiro.

C) A obra de Lobato ingressou em domínio público em 1º de janeiro de 2019.

D) O ingresso da obra de Lobato em domínio público aumentará seu público leitor.

Resolução Comentada

  • Alternativa “a”: incorreta. Cuidado: este é um fato, não uma opinião.
  • Alternativa “b”: correta – gabarito. Segundo o dicionário Houaiss, “opinião” significa maneira de pensar, de ver, de julgar; julgamento pessoal; parecer, pensamento. O ponto de vista do autor é que Monteiro Lobato é um escritor importante e atual, já que jovens e crianças continuam se interessando por sua obra. Ele utiliza para sustentar seu ponto de vista a importância do fato de seu aniversário ser convertido também no Dia Nacional do Livro Infantil. A palavra “homenageia” permite uma intepretação mais subjetiva.
  • Alternativa “c”: incorreta. Cuidado: este é um fato, não uma opinião.
  • Alternativa “d”: incorreta. Cuidado: este é um fato, sustentado por especialistas inclusive, não uma opinião.

Gabarito: B

Questão 04

Monteiro Lobato é um importante escritor da literatura brasileira, principalmente, pelos seus livros escritos para o público infanto-juvenil. Considerando o autor e seu contexto histórico, atente para as seguintes afirmações:

I. Monteiro Lobato também criou obras que tratam de questões sociais, o que faz com que se possa enquadrá-lo no Movimento Modernista.

II. Monteiro Lobato retratou, em algumas de suas obras, questões relacionadas à Geografia, Matemática e Língua Portuguesa.

III. As obras infanto-juvenis de Monteiro Lobato revolucionaram a literatura para este público porque traziam a imagem de crianças à frente de sua época.

Está correto o que se afirma em

A) I e II apenas.

B) I e III apenas.

C) II e III apenas.

D) I, II e III.

Resolução Comentada

Espiem só um pedacinho do que tinha lá no nosso material!

Monteiro Lobato (1882-1948) é um dos escritores brasileiros mais populares, principalmente entre o público infantil por conta do universo do Sítio do Picapau Amarelo, criado por ele. Todas as histórias se passam nesse sítio, em que vivem Dona Benta, a dona do lugar, seus netos Narizinho e Pedrinho, e a empregada Tia Nastácia. Narizinho tem uma boneca que fala chamada Emília. Ele também criou a personagem Jeca Tatu, um caipira preguiçoso que simbolizava o atraso do campo e do interior do Brasil. Muito desse universo tem inspiração em sua própria vida. Ele próprio fora criado num sítio e tivera contato com muitas pessoas que acabaram inspirando suas personagens.

Além de escritor, Monteiro Lobato também foi tradutor, tendo trabalhado em obras importantes, incluindo muitas coletâneas de contos de fadas. Ele também se envolveu com negócios de petróleo, o que lhe rendeu muitas inimizades, principalmente entre poderosos que tinham interesse em ocultar a existência de petróleo no Brasil, para favorecer os interesses do capital estrangeiro. Era inimigo declarado do Estado Novo, de Getúlio Vargas e produziu uma série de críticas a esse regime, denunciando arbitrariedades.

Afirmação I: incorreta. Monteiro Lobato está enquadrado no movimento do Pré-Modernismo.

Afirmação II: correta. Monteiro Lobato inclusive escreveu obras chamadas Geografia de Dona Benta (1935) e Aritmética de Emília (1935).

Afirmação III: correta. O que pode ser constatado no trecho “uma das ousadias de Lobato foi, em uma época em que o conservadorismo era grande, dar voz às crianças, que não costumavam ter espaço na maioria das famílias para expor seus pensamentos. “Ele não vai pensar numa criança simplesmente obediente, mas ele vai pensar numa criança reflexiva, criativa, produzindo novos significados para o seu momento histórico” (l. 21-41).

Gabarito: C

Questão 05

No primeiro parágrafo do texto 1, há vários termos ou expressões para se referir a Monteiro Lobato, tais como ele (linha 1), esse escritor (linha 2), personalidade (linha 4) e autor (linha 2). Com relação a esse aspecto, atente para as seguintes assertivas:

I. O recurso de substituição de termos ou expressões foi utilizado para garantir a manutenção temática.

II. A substituição de termos ou expressões funcionou como um elemento de coesão textual.

III. A referência ao autor Monteiro Lobato, realizada de várias formas diferentes, tornou o texto repetitivo.

Estão corretas somente as assertivas contidas em

A) I e II.

B) III.

C) II.

D) I e III.

Resolução Comentada

Afirmação I: correta. Inclusive, podem ser considerados elementos catafóricos, porque retomam termos que aparecem posteriormente, no caso, o próprio nome do escritor Monteiro Lobato: “a personalidade em destaque é Monteiro Lobato” (l. 3-4).

Afirmação II: correta. Segundo Platão e Fiorin (2006), a ligação, a relação, a conexão entre as palavras, expressões ou frases do texto chama-se coesão textual.

Afirmação III: incorreta. Pelo contrário, foram utilizados sinônimos diferentes justamente para se evitar a repetição.

Gabarito: A

Questão 06

Com relação à vírgula utilizada antes da expressão “[…], autor de mais de 50 livros que mexeram, como ninguém, com o imaginário de crianças e jovens de todo o Brasil.” (linhas 2-3), é INCORRETO afirmar que

A) a referida expressão é um aposto, por isso, deve ser separada por vírgulas.

B) foi utilizada porque separa um termo que resume a expressão anterior.

C) essa pontuação foi usada porque a expressão em destaque explica o termo anterior.

D) é necessária porque o termo em destaque esclarece a expressão anterior.

Resolução Comentada

Alternativa “a”: incorreta. O aposto é um termo que é acrescentado à oração com o objetivo de explicar, esclarecer, desenvolver ou resumir algum outro termo.

Alternativa “b”: correta – gabarito. Um aposto pode se classificar entre explicativo, comparativo, enumerativo e recapitulativo. No caso, trata-se de um aposto explicativo, que explica ou esclarece algum termo da oração. Aparece sempre entre vírgulas, entre parênteses ou entre travessões.

Alternativa “c”: incorreta. Como é o caso do aposto explicativo.

Ex.: Mário, o aluno mais inteligente, passou no vestibular.
“o aluno mais inteligente” é aposto explicativo de Mário.

Alternativa “d”: incorreta. Uma das funções do aposto explicativo é esclarecer, explicar.

Gabarito: B

TEXTO 2

Diáspora

1Acalmou a tormenta
Pereceram
Os que a estes mares ontem se arriscaram
E vivem os que por um amor tremeram

5E dos céus os destinos esperaram
Atravessamos o mar Egeu
O barco cheio de fariseus
Como os cubanos, sírios, ciganos
Como romanos sem Coliseu

10Atravessamos pro outro lado
No Rio Vermelho do mar sagrado
Os Center shoppings superlotados
De retirantes refugiados


You, where are you?
15Where are you?
Where are you?

Onde está
Meu irmão
Sem Irmã
20O meu filho sem pai
Minha mãe
Sem avó

Dando a mão pra ninguém
Sem lugar
25Pra ficar
Os meninos sem paz
Onde estás
Meu senhor
Onde estás?
30Onde estás?

Deus
Ó Deus onde estás
Que não respondes
Em que mundo
35Em qu’estrela
Tu t’escondes
Embuçado nos céus
Há dois mil anos te mandei meu grito
Que embalde desde então corre o infinito
40Onde estás, Senhor Deus

ANTUNES, Arnaldo; BROWN, Carlinhos; MONTE, Marisa. Diáspora. In: Tribalistas. Rio de Janeiro: Phonomotor Records Universal Music, 2017. Disponível em: https://www.letras.mus.br/tribalistas/diaspora/. Acesso em: 08 de set. de 2019.

Questão 07

É objetivo da letra da canção Diáspora

A) denunciar a saga dos refugiados ao longo da história da humanidade.

B) narrar a travessia dos mares por um grupo de turistas.

C) descrever situações degradantes das travessias marítimas por turistas.

D) apresentar a separação entre familiares de refugiados por motivos religiosos.

Resolução Comentada

Essa música é tema de abertura da novela das seis da emissora Rede Globo, “Órfãos da terra”, “Órfãos da Terra”, de Thelma Guedes e Duca Rachid.

Alternativa “a”: correta – gabarito. Denunciar no sentido de tornar conhecido; difundir, propagar, anunciar (dicionário Houaiss). Trata-se de uma questão que vai desde as Escrituras Sagradas da Bíblia, com a qual a canção inclusive manifesta caráter de intertextualidade – diálogo – até a imigração na contemporaneidade, resultado de conflitos étnicos, raciais, geográficos, políticos.

Alternativa “b”: incorreta. Pelo contrário, a situação de turismo, que evidencia lazer, planejamento, usufruto, é bem diferente da condição dos imigrantes, podendo ter sido eles expulsos, exilados, perseguidos, isto é, eles estão numa condição de vulnerabilidade social.

Alternativa “c”: incorreta. Não são necessariamente degradantes. No caso da Bíblia, pode ganhar inclusive um tom épico, nobre, superior. Já na contemporaneidade, muitas vezes as condições de transporte são feitas precariamente e no improviso, haja vista a situação de fuga.

Alternativa “d”: incorreta. A canção, embora aluda à Bíblia, não permite inferir que o motivo da separação das famílias seja estritamente religioso.

Gabarito: A

Questão 08

Observe a seguinte definição de diáspora, publicada em FERREIRA, A. B. H. Dicionário Aurélio escolar da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1988, p. 220: “Sf 1. A dispersão dos judeus no decorrer dos séculos. 2. P. ext. Dispersão de povos, por motivos políticos ou religiosos, em virtude de perseguição de grupos dominadores intolerantes”. Considerando a referida definição e a letra da canção, atente para as seguintes afirmações:

I. A história narrada centra-se em questões religiosas, elegendo o mar Egeu como local de acontecimento para a separação dos povos.

II. A história narrada vai além do texto bíblico para a compreensão do drama dos refugiados, a partir de diversas questões políticas e/ou religiosas.

III. A questão dos refugiados é abordada a partir da inserção de outros lugares que, na contemporaneidade, também têm problemas políticos e/ou religiosos.

Estão corretas as assertivas contidas em

A) I e II apenas.

B) I e III apenas.

C) II e III apenas.

D) I, II e III

Resolução Comentada

Tipologia de questão em que primeiro é dado um verbete do dicionário e depois há uma exploração, desenvolvimento do mesmo. No caso, verbetes costumam usar abreviações, como “p. ext.” que quer dizer por extensão.

Afirmação I: incorreta. Não são questões religiosas necessariamente. Atentem-se ao conectivo, a conjunção coordenada alternativa na definição do dicionário: “motivos políticos ou religiosos” (grifo meu). Ademais, para além do mar Egeu, há menção também ao Rio Vermelho.

Afirmação II: correta. Drama porque as situações experienciadas muitas vezes envolvem tragédias, sofrimento e separações.

Afirmação III: correta. No caso, esse lugar específico não é geográfico, mas sim simbólico: os shoppings centers, lugar no qual um refugiado poderia se ver obrigado a trabalhar, na tentativa de reinserção econômica no país ao qual vai chegar.

Gabarito: C

Questão 09

O fato de os autores da letra da canção Diáspora utilizarem o verbo em primeira pessoa do plural, na expressão “Atravessamos o mar Egeu” (linha 6), indica intenção de

A) engajar o ouvinte/leitor na problemática dos refugiados.

B) demarcar diferentes povos de diferentes lugares.

C) naturalizar as experiências de sofrimento dos refugiados.

D) acentuar o abandono de crianças retiradas de suas famílias.

Resolução Comentada

Alternativa “a”: correta – gabarito. O chamado plural majestático ou plural da modéstia também pode ser usado para designar atitude respeitosa para com o interlocutor. Porém, o objetivo aqui é maior, no intuito da inclusão, como diz o ditado popular: “sentir-se na mesma pele” dos imigrantes, passar pelos mesmos dramas, mesmos sofrimentos.

Alternativa “b”: incorreta. A finalidade não é a demarcação, até porque não sabemos as origens reais desses imigrantes.

Alternativa “c”: incorreta. Cuidado: o sofrimento não é natural nem naturalizado, ele é causado por ações antrópicas (humanas).

Alternativa “d”: incorreta. O fato de haver menção a algumas categorias familiares como irmão e irmã, filho, pai, mãe e avó, não é possível concluir com exatidão que o texto trate só de crianças. Embora haja o verso “Os meninos sem paz” (l. 26), isso não se remete diretamente ao verbo conjugado na 1ª pessoa do plural “atravessamos”.

Gabarito: A

Questão 10

A textualidade marca-se por diversos fatores que se integram, a fim de instituir sentido ao conjunto de enunciados, transformando-os em um texto. Assim, na letra da canção Diáspora, há

I. intertextualidade, porque podemos depreender a presença de outros textos, por exemplo, textos bíblicos (linhas 6-7; 10-11) e o poema Vozes d’África, de Castro Alves (linhas 31-40).

II. coerência, porque há uma lógica interna no texto quando os autores relacionam a dispersão do povo judeu à saga dos imigrantes.

III. informatividade, porque as informações apresentam dados novos para a atualização da questão dada, a partir de um tema já apresentado inicialmente.

Estão corretas as complementações contidas em

A) I e II apenas.

B) I e III apenas.

C) II e III apenas.

D) I, II e III.

Resolução Comentada

Afirmação I: correta. Entende-se por intertextualidade a relação entre dois ou mais textos, entendendo qual a natureza dessa relação. Algumas vezes a intertextualidade é mais evidente outras não. Pode também aparecer entre textos de diferentes naturezas, verbais e visuais. Quanto a Castro Alves, membro da 3ª geração da poesia romântica brasileira, espia o que apresentamos no nosso material.

Ocupante da cadeira de no 7 na Academia Brasileira de Letras, era considerado o poeta dos escravos e nasceu em 1847. Estudou Direito em Recife e São Paulo. Representou maturidade em relação à ingenuidade das gerações anteriores, como o idealismo indianista e amoroso e o nacionalismo ufanista. A crítica objetiva ao regime social prefigura o movimento posterior do Realismo.

  • Poesia: principais obras
  • Espumas flutuantes (1870);
  • A Cachoeira de Paulo Afonso (1876);
  • Os Escravos – O Navio Negreiro (1883);
  • Hinos do Equador (1921).

Este poema em particular do poeta romântico começa com os seguintes versos: “Deus! ó Deus! onde estás que não respondes?”. Vamos ver uma estrofe na íntegra, de modo a perceber as semelhanças com a canção. O resto se encontra no domínio público (https://tinyurl.com/rgkykao).

Deus! ó Deus! onde estás que não respondes?

Em que mundo, em qu’estrela tu t’escondes

Embuçado nos céus?

Há dois mil anos te mandei meu grito,

Que embalde desde então corre o infinito…

Onde estás, Senhor Deus?...

Além disso, a alusão à Bíblia se verifica também na menção da abertura do mar por Moisés, episódio relatado no livro do Êxodo.

Afirmação II: correta. Coerência interna de temas, como que para evidenciar que não se trata de um problema apenas da atualidade, mas sim milenar, histórico.

Afirmação III: correta.

Esclarescendo

O contexto histórico é extremamente importante para compreender a obra e o seu pano de fundo por trás. Assim, é possível estabelecer uma ponte com o presente e ter a capacidade de atualizar essas obras, isto é, trazê-las para o nosso presente. Isso pode cair na redação. Nesse caso, a questão dos imigrantes.

Gabarito: D

Questão 11

Observe a estrutura sintática da primeira estrofe da letra da canção Diáspora (linhas 1-5) e atente para as seguintes afirmações:

I. Os sujeitos dos verbos perecer (“pereceram” — linha 2) e viver (“vivem” — linha 4) se encontram na ordem inversa e correspondem a um mesmo referente que é iniciado pela expressão “os que” (linhas 3 e 4).

II. Considerando “a tormenta” (linha 1) como um fenômeno da natureza, é correto afirmar que a referida expressão é sujeito do verbo acalmar (“Acalmou” — linha 1).

III. O sujeito do verbo viver (“vivem” — linha 4) pode ser interpretado como simples ou composto, dependendo da interpretação da expressão “[…] os que por um amor tremeram / E dos céus os destinos esperaram” (linhas 4-5).

É correto o que se diz em

A) I e II apenas.

B) I e III apenas.

C) II e III apenas.

D) I, II e III.

Resolução Comentada

A resposta dessa questão contou com a ajuda/consultoria da professora Celina Gil.

Afirmação I: incorreta. Está na ordem inversa, mas não tem o mesmo sujeito. A ordem na Língua Portuguesa é SVO (Sujeito + Verbo + Objeto). No caso, “Pereceram” já se encontra posição inicial e constitui verbo conjugado na 3ª pessoa do plural.

Cuidado: embora o sujeito de ambos os verbos seja o pronome demonstrativo “os que”, não significa que são as mesmas pessoas. O conectivo, a conjunção coordenativa “e”, neste caso assume função adversativa: por um lado, os que pereceram; por outro, os que vivem, até porque os verbos conferem ideias opostas.

Se liga!

Só se separar orações coordenadas com a conjunção “e” apenas quando houver sujeitos diferentes. Ex.: Os ricos só ficam mais ricos, e os pobres só ficam mais pobres. Porém, em se tratando de poesia e de linguagem poética, não há atendimento a todas as regras gramaticais, não pontuando necessariamente.

Afirmação II: correta. Embora esteja na ordem indireta: V + OD (Acalmou + objeto direto), o que podemos identificar por meio da desinência conjugada na 3ª pessoa do singular, concordando em gênero e número.

Afirmação II: correta. Simples se for levada em consideração apenas a última oração e composto se consideramos a oração como coordenada aditiva. Porém, o efeito de ambiguidade foi intencional no texto, em se tratando de uma poesia (letra de música).

A ambiguidade ocorre quando um mesmo vocábulo ou expressão pode ser interpretado de mais de uma maneira. Ela pode aparecer de duas maneiras: como recurso expressivo, principalmente no caso da publicidade ou dos textos humorísticos; ou como um defeito na construção, prejudicando a clareza da mensagem. Ou seja, ela pode ser intencional ou não.

Já a letra de música é uma variação da poesia, pois mélos e poiéo (melodia e poesia) caminhavam juntas na Antiguidade.

Escrita em versos, podem ser cobrados músicos e intérpretes da atualidade, tais como Chico Buarque, Caetano Veloso, Milton Nascimento etc.

Gabarito: C

Questão 12

Os versos “You, where are you?/ Where are you?” (linhas 14-16), cuja tradução literal para o português é Você, onde está você? / Onde está você?, encontram-se em língua inglesa porque

A) há um caso de estrangeirismo, realizado através de palavras vindas de outro idioma e incorporadas à língua portuguesa.

B) aponta para o engajamento de todos na questão, atualizando-a para um idioma considerado universal.

C) marca uma opção para os ouvintes da canção em outros países que não adotam a língua portuguesa.

D) atrai um público maior e mais jovem para as discussões acerca de temáticas contemporâneas.

Resolução Comentada

Essa questão é interdisciplinar, apresentando interface com o Inglês. A resposta dessa questão contou com a ajuda/consultoria da Teacher Andrea Belo.

A afirmação correta é a letra B porque, ao chamar a atenção com o questionamento “Onde está você?” – Where are you?, em, Inglês, como bem descreveu a alternativa B, há engajamento e atrai atenção acerca de algo que é falado em uma língua universal, em que se ouve, de forma geral, em todos os países: inglês, como se fosse um idioma universal.

Não é caso de estrangeirismo, como diz a letra A, pois estrangeirismo não há termos equivalentes e, no caso, “Onde está você” é equivalente à “Where are you”

As letras C e D trazem informações sem sentido: ouvintes da canção em outros países e a intenção é colocar Inglês como ênfase em um idioma falado amplamente e, em lugar nenhum do texto se fala em atrair público jovem, como descrito na letra D.

Gabarito: B

Instagram: @luana.signorelli

Facebook: Luana Signorelli

CURSOS PARA VESTIBULARES

0 Shares:
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode gostar também