Última atualizaçao em: 05 de Novembro de 2020, ás 20:04

A ambiguidade ocorre quando um mesmo vocábulo ou expressão pode ser interpretado de mais de uma maneira. Ela pode aparecer de duas formas:

  • como recurso expressivo, principalmente no caso da publicidade ou dos textos humorísticos;
  • como um defeito na construção, prejudicando a clareza da mensagem.

Ou seja, ela pode ser intencional ou não.

Em textos argumentativos, didáticos, jornalísticos e outros de função informativa, a ambiguidade é considerada um defeito. Nesses tipos de texto, a mensagem deve ser o mais clara e objetiva possível.

Por isso, deve-se evitar expressões que possam gerar algum tipo de ambiguidade. Um exemplo de ambiguidade intencional pode ser visto na tirinha abaixo:

ambiguidade
Fonte: http://tirasbeck.blogspot.com/ Acesso em: 11 Mar.2019.

A ambiguidade aqui é proposital. O objetivo é explorar as duas possibilidades da palavra “paciente”:

  • substantivo, significando pessoa que será atendida pelo médico;
  • ou adjetivo, significando característica de pessoa que tem paciência. É nessa ambiguidade que reside o humor da tirinha.

Ambiguidade semântica

Quando envolve polissemia, ou seja, um termo que apresenta mais de um significado possível.

Exemplo:

Estava em frente ao banco.

O termo “banco” seria o móvel em que se senta ou prédio, instituição financeira?

Resolvendo:

Estava em frente ao banco da praça.
Estava em frente ao Banco Itaú.

ATENÇÃO: a polissemia ocorre quando uma mesma palavra asume diferentes significados. Não é o caso, por exemplo, de palavras com grafia e sons iguais, mas classes diferentes (ex.: “cedo” pode ser adverbio de tempo ou verbo ceder conjugado na primeira pessoa do singular).

Ambiguidade gramatical

Quando envolve a estrutura da oração, ou seja, é resultado da posição das palavras.

Exemplo:

As meninas felizes se arrumaram para a festa.

O termo “felizes” seria a característica das meninas ou o estado em que se encontravam naquele momento

Resolvendo:

Felizes, as meninas se arrumaram para a festa.

Pode ocorrer principalmente devido ao uso ambíguo de:

– pronomes possessivos (Ele voltou para sua casa);
– pronomes relativos (Falei com o menino
que estava feliz);
– formas nominais (Ajudei a amiga cansada).

Ambiguidade: como cai no vestibular?

Vamos ver como isso pode aparecer num exercício de vestibular:

Questão FUVEST/2002

Na posição em que se encontram, as palavras assinaladas nas frases abaixo geram ambiguidade, EXCETO em:

a) Pagar o FGTS custa R$13,3 bi, diz o consultor.
b) Pais rejeitam menos crianças de proveta.
c) Consigo me divertir também aprendendo coisas antigas.
d) É um equívoco imaginar que a universidade do futuro será aquela que melhor lidar com as máquinas.
e) Não se eliminará o crime com burocratas querendo satisfazer o apetite por sangue do público.

Gabarito: D

Comentários

A única alternativa que não apresenta ambiguidade é a D. A palavra “melhor”, aqui, funciona como advérbio de modo, relacionada ao verbo “lidar”. Não há nenhuma outra palavra na oração com a qual “melhor” poderia se relacionar.

A alternativa A apresenta ambiguidade, pois “já” pode ter valor de tempo (“Pagar o FGTS neste momento (…)”) ou de totalidade (“Pagar o FGTS totaliza um custo de (…)”).

Esta ambiguidade poderia ser resolvida com o uso correto da vírgula:

– “Pagar o FGTS já, custa (…)” (tempo)

– “Pagar o FGTS, já custa (…)” (totalidade)

A alternativa B apresenta ambiguidade, pois “menos” pode ter valor de quantidade (“Pais rejeitam em menor quantidade crianças (…)”) ou de exceção (“Pais rejeitam exceto crianças (…)”).

Esta ambiguidade poderia ser resolvida com o uso correto da vírgula e da ordem das palavras:

– “Pais rejeitam menos crianças (…)”  (quantidade)

– “Pais rejeitam crianças, menos (…)” (exceção)

A alternativa C apresenta ambiguidade, pois “também” pode ter valor de inclusive (“Consigo me divertir inclusive (…)”) ou de igualdade (“Consigo me divertir do mesmo modo (…)”).

Esta ambiguidade poderia ser resolvida com o uso correto da vírgula e da ordem as palavras: 

“Consigo também me divertir, aprendendo (…)” (inclusive)

“Consigo me divertir, também, aprendendo (…)” (igualdade)

A alternativa E apresenta ambiguidade, pois “público” pode estar ligado a apetite (“o apetite do público”) ou a sangue (“o sangue do público”).

Esta ambiguidade poderia ser resolvida com a mudança da ordem das palavras:

– “(…) satisfazer o apetite do público por sangue” ou “(…) satisfazer o apetite por sangue do público”.

A ambiguidade pode ocorrer em dois níveis: semântico e gramatical.

Siga-me nas redes sociais:

Instagram: @professoracelinagil

Facebook: @professora.celina.gil

0 Shares:
Você pode gostar também