No século XX, a América Latina sofreu mudanças significativas em sua estrutura. Dentro de vários países do continente surgiram movimentos de contestação do governo e/ou do modelo social, como a Revolução Mexicana, que aconteceu entre 1910 e 1917. 

Esse é um tema que pode aparecer no vestibular, por isso, aprofunde seu conhecimento sobre esse assunto com o Estratégia Vestibulares!

Revolução Mexicana

Contexto Histórico da Revolução Mexicana

No âmbito econômico, a Revolução Mexicana aconteceu em um período de exportação de produtos baratos — agrícolas e matérias-primas — e importação de produtos industrializados. Nesse sentido, o desenvolvimento da região ficou comprometido e abriu espaço para os empréstimos junto a bancos estrangeiros, o que gerou dívidas gigantescas.

Já o cenário geopolítico indicava forte interferência do governo norte-americano sobre a política latina, na busca por lucros e relações comerciais favoráveis aos EUA. Esse fenômeno foi chamado de política intervencionista estadunidense.

O palco principal do tema abordado neste artigo, o México, sofreu com uma prolongada ditadura caudilhista*: o Porfiriato. 

*(Caudilhismo é o análogo ao coronelismo brasileiro – o exercício de poder através do carisma/simpatia e troca de favores, o que atraía o apoio das camadas populares.)

O que foi a Revolução Mexicana?

Em uma situação de problemas sociais e políticos no México, dois grandes líderes se levantaram no país: Pancho Villa e Emiliano Zapata. Ambos carregavam o lema, “terra e liberdade”, na busca por menor concentração fundiária e maior liberdade social

Enquanto Pancho atuava no Norte do México, Zapata agia no Sul. Os dois utilizavam movimentos armados e se aliaram com as camadas populares e sociais, criando uma revolta afastada dos domínios dos grandes poderes.

O movimento reunia líderes liberais, anarquistas, socialistas e populistas, voltados para a questão agrária. Essa modificação fundiária envolvia, principalmente, as manifestações camponesas.

Causas

Em meio ao regime de Porfírio Díaz, houve o agravamento de uma crise econômica, além do aumento da concentração de terras, o que prejudicava indígenas e camponeses, mas favorecia os mais poderosos — em destaque a classe alta estadunidense.  Tal quadro evidenciava as grandes mazelas sociais e a desigualdade econômica. Em meio a esse cenário, surge a revolta popular.

Como ocorreu a Revolução Mexicana?

Em 1910, ocorreram as eleições entre Porfírio Díaz e Madero. Através de manipulações, o porfiriato “ganhou” a disputa. No entanto, os revolucionários se uniram com Madero — acreditando em suas promessas sobre reforma agrária e social. Em conjunto, os revoltosos e Madero arquitetaram a derrubada do porfiriato

Com o passar do tempo, a população notou o caráter elitista do governo de Madero, o qual não implementou as mudanças prometidas. O sentimento de descontentamento dominou o povo, que clamava, cada vez mais, por alternativas governamentais com mais direitos e liberdade.

Nesse cenário desgastado, o exército e os revolucionários tornaram-se contra o poder de Madero, o qual foi assassinado a mando do general do exército: Victoriano Huerta apoiado pelos EUA, em favor da elite.

Como acabou a Revolução Mexicana?

O plano do novo líder militar, o General Huerta, era dominar as ondas revoltosas e implementar sua forma de governo. Apesar disso, a sociedade voltou-se contra ele, que foi deposto em favor de Venustiano Carranza. 

Em 1917, foi instituída uma Nova Constituição Mexicana, com viés progressista e maiores direitos sociais. Essa é a carta constitucional vigente até hoje no país.

Embora tenham alcançado essa meta, os camponeses ainda reivindicavam a reforma agrária. Contudo, essa alteração fundiária nunca aconteceu, porque os líderes da Revolução Mexicana foram assassinados Zapata, em 1919 e Pancho Villa, em 1923 enfraquecendo o movimento.   

Questão de Vestibular

A seguir, leia e responda a pergunta com base no que aprendeu até aqui. Depois, confira o gabarito e entenda os raciocínios que levam à resposta.

(Fuvest) A Revolução Mexicana de 1910, do ponto de vista social, caracterizou-se:

a) pela intensa participação camponesa.

b) pela aliança entre operários e camponeses.

c) pela liderança de grupos socialistas.

d) pelo apoio da Igreja aos sublevados.

e) pela forte presença de combatentes estrangeiros.

GABARITO: A – considere que o principal alvo da revolução era a reforma agrária – assunto rural. Embora abrigasse muitos membros socialistas, não houve, na revolta, predominância desses indivíduos. A força mais expressiva do movimento foi, portanto, o povo camponês.

Gostou do conteúdo? Então venha fazer parte do time Coruja! Clique no banner abaixo e conheça os planos de assinatura do Estratégia Vestibulares! Tenha acesso aos nossos resumos e às aulas aprofundadas sobre esse e outros assuntos recorrentes nos vestibulares. 

banner Estratégia Vestibulares
0 Shares:
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode gostar também
Revoltas Regenciais: o que foi?
Leia mais

Revoltas Regenciais: o que foram?

A disciplina de História compreende os diversos períodos políticos e econômicos de um povo ou território. Nesse sentido,…