Última atualizaçao em: 05 de Novembro de 2020, ás 16:51

Olá, queridos alunos e queridas alunas… Tudo bem? Sou a prof. Alê Lopes, do Estratégia Vestibulares, e escrevo este artigo para comentar e resolver aprova da UECE 2020, disciplina de História. Nesta página, você vai conferir a resolução comentada completa e ainda vai poder fazer o download gratuito dos meus comentários em PDF. Vamos nessa??

Prova UECE 2020

Questão 23

O sistema agrícola conhecido como plantation, que foi implantado durante a colonização do Brasil, tinha como característica

A) o trabalho escravo realizado em pequenas e médias propriedades onde se plantavam diversos produtos para o consumo interno.

B) a produção de um único gênero agrícola, em latifúndios, por meio do trabalho livre de imigrantes europeus fugidos das guerras.

C) a produção de um único tipo de cultura agrícola para exportação, em grandes propriedades rurais, por meio da mão-de-obra escrava.

D) a utilização do trabalho escravo em minifúndios para a produção de gêneros de subsistência e produtos manufaturados para o comércio.

Resolução Comentada

Questão clássica. Pergunta sobre as características do modo de organização da produção agrícola no Brasil, no período colonial: o plantation. Veja o esquema abaixo que caracteriza esse sistema:

O sistema de plantation foi fundamental para garantir a exploração colonial cujo objetivo era encontrar produtos para abastecer o mercado europeu. Segundo Caio Prado  Jr.,

“Se vamos a essência da nossa formação, veremos que na realidade nos constituímos para fornecer açúcar, tabaco, alguns outros gêneros; mais tarde, ouro e diamantes; depois, algodão e, em seguida, café para o comércio europeu. Nada mais que isso. É com tal objetivo, objetivo exterior, voltado para fora do país e sem atenção a considerações que não fossem o interesse daquele comércio, que se organizavam a sociedade e a economia brasileiras […]. Este início cujo caráter se manterá dominante através dos três séculos (…) se agravará profunda e totalmente nas feições e na vida do país. Haverá resultantes secundárias que tendem para algo de mais elevado; mas elas ainda mal se fazem notar. O “sentido da evolução” brasileira que é o que estamos aqui indagando, ainda se afirma por aquele caráter inicial da colonização. Tê-lo em vista é compreender o essencial deste quadro que se apresenta em princípios do século passado, e que passo agora a analisar.”

PRADO JR, Caio. Formação do Brasil contemporâneo. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1979, p. 31-32.

Nesse sentido, o gabarito correto é a letra C. Vejamos os erros das demais alternativas:

  • Alternativa AEmbora isso possa ter existido, não caracteriza o sistema de plantation.
  • Alternativa BO trabalho livre imigrante começou a ser utilizado no Brasil a partir da 2ª. metade do século XIX, logo, o Brasil já era um país independente.
  • Alternativa CGabarito, conforme os comentários acima.
  • Alternativa DEssa descrição se opõe completamente ao que é o sistema de plantation. E nada tem a ver com produtos manufaturados, já que plantation é um sistema agrícola.

Gabarito: C

Questão 24

 A queda do império no Brasil não se deu apenas por uma causa, mas por um acúmulo de fatores. Analise os fatos apresentados a seguir e assinale o que NÃO corresponde a uma causa para o fim da monarquia no Brasil.

A) Guerra de Canudos, ocorrida em uma comunidade rural no interior da Bahia, que provocou milhares de mortes e abalou a popularidade do império.

B) Movimento Abolicionista, que provocou o fim da escravidão no império, causando a ira de muitos latifundiários escravistas.

C) Questão Militar, em que oficiais do exército brasileiro se opuseram à monarquia, o que conduziu muitos militares aos quadros do movimento republicano.

D) Questão Religiosa, oriunda do choque entre a maçonaria, liderada pelo próprio imperador, e clérigos da igreja católica, o que agravou a imagem da monarquia.

Resolução Comentada

A questão pode ser resolvida por localização no tempo. Repare:

  • Alternativa A – A Guerra de Canudos ocorreu entre 1896 e 1897, logo, após o advento da República (1889). Por isso, de cara, esta alternativa é o nosso gabarito, pois o enunciado pede para assinalar a que NÃO corresponde a uma causa para o fim da monarquia no Brasil.

Sobre as demais alternativas, veja que elas são boas para fazermos uma breve revisão. Isso porque, elas sintetizam o fato de a crise do regime monárquico ter sido resultado das transformações que ocorreram a partir da segunda metade do século XIX.  Muitas demandas novas foram surgindo e, em geral, aquele regime aristocrático e escravocrata não dava mais conta de organizar a sociedade. Nesse sentido, passemos às demais:

  • Alternativa B – O Movimento Abolicionista contribui para desgastar o Império, pois minou um dos alicerces que o sustentava, o trabalho escravo. Lembre-se de que, desde o início do século XIX, a Inglaterra pressionava o Brasil pelo fim da escravidão. Na Independência, em 1822, em troca do reconhecimento oficial da emancipação do Brasil pelo Governo Inglês, Dom Pedro I se comprometeu com o país britânico a eliminar o trabalho escravo até 1830. Evidentemente, esse acordo não saiu do papel, pois a propriedade de escravos era a principal fonte de riqueza dos senhores de terras naquela época. Mas a Inglaterra não desistiu até que, em 1845, o Parlamento inglês aprovou a Lei Bill Aberdeen. Nesse processo, é importante lembrar que os ingleses possuíam inúmeros negócios no Brasil, especialmente ligados ao transporte e à exportação. Por isso, detinham grande capacidade de exigir mudanças nas relações de trabalho internas. Foi por meio desse “lobby” que, em 1850, D. Pedro II assinou a Lei Eusébio de Queiróz.

Juntamente a essas medidas legais e focadas em mudanças na estrutura econômica (implementação do trabalho assalariado para atender ao livre mercado), o Movimento Abolicionista por razões humanitárias e igualitárias se fortaleceu.

O Movimento Abolicionista reuniu pessoas dos mais diversos grupos sociais, com interesses distintos, como a compositora Chiquinha Gonzaga, o jornalista e advogado Luís Gama (libertou mais de 500 escravos), o engenheiro André Rebouças, o intelectual Joaquim Nabuco, o advogado Ruy Barbosa, o escritor Castro Alves – conhecido como o poeta “dos escravos e da Liberdade”-, o jornalista José do Patrocínio, o jurista Tobias Barreto, a aristocrata cearense Maria Tomásia Figueira Lima, a primeira escritora abolicionista Maria Firmina dos Reis,  entre tantos outros.

No geral, o Movimento Abolicionista, ao criticar o uso de trabalho escravo da população negra e parda, acabava por estender a oposição ao regime político Monárquico (ao Império), pois, também direcionava críticas à arcaica forma política centralizadora – modelo este avesso à participação política de outros setores da sociedade.

  • Alternativa C – Na essência, a adesão dos militares ao republicanismo positivista provocou uma ruptura entre estes e o Império. Além disso, os militares mais jovens e com formação superior na escola Militar da Praia Vermelha iniciaram críticas públicas em relação ao imobilismo do governo em dar respostas às demandas de vários setores da sociedade. Nesse sentido, os militares também cobravam melhorias para a carreira.

Veja, que em outros cenários, provavelmente estas disputas teriam sido resolvidas dentro da institucionalidade, mas a “questão militar” gerou o divórcio entre o exército e a monarquia – o que acelerou sobremaneira a queda do Império – porque a postura do Império era de reprimir os críticos.

O primeiro episódio da série foi a punição de um Coronel chamado Sena Madureira (comandante da escola de tiro de Campo Grande). O spoiler é o seguinte: o Coronel recebeu o conhecido abolicionista Dragão do Mar – Francisco Nascimento que era um jangadeiro cearense atuante na luta pela abolição e que convenceu seus colegas de profissão a não transportar escravos em suas jangadas como forma de protesto.

A notícia da atitude do jangadeiro se espalhou entre os abolicionistas e, por isso, foi recebido na Escola de Tiro para ser homenageado. O Governo mandou prender o Cel. Madureira. Então, outros oficiais protestaram publicamente na imprensa.

Depois, a situação se agrava quando o todo poderoso Marechal Deodoro da Fonseca, do Rio Grande do Sul, também se recusa a punir oficiais que se rebelavam. Ou seja, o governo Imperial perdeu a autoridade frente às Forças Armadas.

  • Alternativa D – Assim como com os militares, com os católicos a história também está relacionada à perseguição de alguns membros da Igreja. Desde 1824, com a outorga (imposição) da 1ª Constituição brasileira, por Dom Pedro I, se estabeleceu oficialmente o padroado e o beneplácito.

Padroado foi a oficialização do catolicismo como religião do Império brasileiro. Além disso, os padres e bispos eram considerados funcionários do Estado.

Disso decorre o Beneplácito, pois uma vez que bispos e padres são funcionários do estado estão sob o controle do Governante e não do Papa (autoridade máxima da Igreja Católica). Pelo beneplácito o Papa nomeava o Bispo, mas este só seria efetivado no cargo se o Imperador concordasse.

Assim, durante todas essas décadas houve harmonia de interesses entre Igreja e Estado.

Contudo, desde 1864, a Igreja Católica proibiu qualquer relação entre a Igreja e a Maçonaria, por motivos próprios do contexto europeu. Isso era um problema, dentro das relações políticas no Brasil, pois as elites intelectuais, políticas e econômicas era, majoritariamente, maçons.

Aconteceu que em 1872, a fim de colocar em prática a bula papal de 1864, os Bispos de Olinda e de Belém do Pará ordenaram que as Dioceses expulsassem seus membros pertencentes à maçonaria. Como castigo para o descumprimento da ordem, as irmandades das Dioceses deveriam ser fechadas.

Diante do conflito, e revestindo-se dos direitos de Padroado, Dom Pedro ordenou a prisão e condenou os Bispos de Olinda de Belém a trabalhos forçados. Esse conflito só se encerrou com a intervenção de Duque de Caxias, o pacificador, que propôs ao Imperador anistiar (perdoar) os Bispos.

Contudo, mais uma vez, era tarde demais para a Monarquia. Essa intervenção desarrazoada, especialmente pela condenação de trabalhos forçados à Bispos, justificou e intensificou a ideia da laicidade do Estado como forma de proteger a liberdade da instituição religiosa.

Embora os membros da Igreja católica não fossem liberais, conjunturalmente, era importante livrarem-se dos desmandos do Monarca. Sacou? Logo, a Igreja católica do Brasil também se somou à oposição à Monarquia de D. Pedro II.

Gabarito: A

Questão 25

A Revolta da Vacina, que foi uma importante manifestação social,

A) ocorreu entre marinheiros oriundos das classes sociais baixas que se negavam a ser vacinados contra a febre amarela, já que os oficiais não eram obrigados.

B) aconteceu nos sertões do Cariri cearense devido à decisão do governo de impor aos seguidores do Padre Cícero a vacinação contra a peste bubônica.

C) foi motivada pelo apoio da Igreja Católica aos seguidores de Antônio Conselheiro, que se opunham à República e à vacinação obrigatória por ela estabelecida.

D) ocorreu no Rio de Janeiro devido à obrigatoriedade da vacina contra a varíola e às reformas urbanas e sanitárias iniciadas pelo presidente Rodrigues Alves.

Resolução Comentada

Nesta questão você precisa se localizar no tempo e no espaço, bem como, lembrar das articulações entre as contradições sociais nos centros urbanos do início do século XX e as políticas governamentais. Vamos lá!

Em 15 de novembro de 1902, o paulista Rodrigues Alves assume a presidência da República.

Vamos articular algumas informações, preste atenção e anote aí:

  • Naquele contexto, o cenário da capital federal era preenchido tanto por ricos casarões dos barões do café e da burguesia comercial quanto por velhos cortiços, casebres onde viviam amontoadas famílias pobres de imigrantes, ex-escravos e brasileiros vindos de várias partes do país. 
  • O crescimento populacional era uma realidade: a população saltara de aproximadamente 275 mil pessoas em 1872 para mais de 691 mil em 1900, o que trazia consequências na dinâmica das relações sociais no espaço urbano.
  • A urbanização vinha para ficar, mas cidades como Rio de Janeiro e São Paulo nem de longe se encaixavam no inalcançável padrão dos centros urbanos europeus.

Tomando como base a experiência parisiense, o governo Rodrigues Alves (1902-1906) formou uma equipe voltada para a promoção de três grandes:

  • modernizar a região portuária
  • sanear a cidade
  • realizar uma reforma urbana.

Com isso, o período em que esteve no poder ficou conhecido como Regeneração. Para a aplicação de seu projeto de modernização, o presidente delegou os engenheiros Laura Muller e Pereira Passos, e o médico sanitarista Oswaldo Cruz.

Por sua vez, no Rio de Janeiro, o Prefeito nomeado Pereira Passos deu início a uma política que ficou conhecida como “bota-abaixo”: cortiços foram destruídos para dar lugar a largas avenidas, com majestosos edifícios, belos jardins e praças arborizadas.

Enquanto o prefeito Pereira Passos se encarregava da modernização da região central, uma reforma sanitária também foi aplicada na cidade pelo médico sanitarista Oswaldo Cruz.

A medida se fazia extremamente necessária, afinal a população carioca era alvo de constantes surtos de doenças epidêmicas, em especial a febre amarela, a varíola (apelidada na época de “bexiga”) e a peste bubônica. Para se ter uma ideia, somente no ano de 1904 mais de 4 mil pessoas morreram em decorrência da varíola!

Neste cenário, em outubro de 1904, o Congresso aprovou um projeto que tornava obrigatória a vacinação contra a varíola. Panfletos e jornais passaram a denunciar a medida como autoritária, e a insatisfação contra o governo foi alimentada por monarquistas e florianistas.

Para as camadas baixas da população, o projeto era uma medida que violava os direitos da população, afinal ele permitia que agentes de saúde entrassem nas residências para vacinar compulsoriamente seus habitantes – inclusive mulheres desacompanhadas de seus maridos, o que para época poderia ser um atentado à moral da mulher e da família.

Entre os dias 11 e 16, populares foram para as ruas acompanhados de comerciantes, operários, estudantes e militares para protestar contra o governo, enfrentando a polícia com barricadas e incendiando bondes. Para conter os revoltosos, batalhões de Minas e São Paulo foram enviados para a capital.

O governo suspendeu a obrigatoriedade da vacina, mas também promoveu uma dura repressão aos rebeldes. Quinhentos participantes da Revolta da Vacina foram deportados, outros mil presos, e trinta foram mortos. 

Com isso, podemos passar às alternativas:

  • Alternativa A – dois erros na alternativa: não foi uma revolta só de marinheiros e não era uma negação à vacinação contra a febre amarela, e sim contra a varíola.
  • Alternativa B – Errada, pois a Revolta da Vacina ocorreu na cidade do Rio de Janeiro.
  • Alternativa C – Errada, pois a Revolta da Vacina não está relacionada aos seguidores de Antônio Conselheiro, líder do Arraia de Canudos no nordeste do Brasil (sertão da Bahia).
  • Alternativa D – É o nosso Gabarito.

Gabarito: D

Questão 26

Na década de 1930, o Ceará foi marcado política e socialmente por siglas como LCT, COC e LEC. Considerando as organizações identificadas por essas siglas, é correto afirmar que

A) a LEC, Liga Eleitoral Cristã, congregava apenas eleitores ligados aos movimentos libertários do socialismo e do comunismo.

B) a LCT, Legião Cearense do Trabalho, possuía caráter socialista, antifascista e anticlerical, e lutava contra a influência católica na política cearense.

C) os COC, Círculos Operários Católicos, atuavam de forma assistencialista e confessional para promover colaboração entre patrões e empregados.

D) eram caracterizadas por sua origem católica desvinculada de doutrinas como o fascismo e por serem próximas do socialismo.

Comentários

Esta questão articula elementos da História mais geral do Brasil com elementos específicos da História do Ceará. Comecemos pela sigla LEC. O que é isso Alê?

A Liga Eleitoral Católica era uma organização política de âmbito nacional, fundada em 1932 por iniciativa do cardeal Leme. Apenas no Ceará transformou-se em partido político, por isso, podemos dizer que a LEC foi um Partido político cearense criado em 1932.

Em escala nacional, a LEC visava aglutinar forças políticas em torno da doutrina social da Igreja, apoiando os partidos e os candidatos que concordassem com seu programa mínimo.

No Ceará, a LEC passou a representar os interesses dos grupos locais que até 1930 haviam detido parte do poder político, e desde então ofereciam resistência aos tenentistas. A partir das eleições para a Assembleia Nacional Constituinte de 1933, a LEC e o Partido Social Democrático (PSD) afirmaram-se como as principais forças políticas em oposição no estado.

Dessa forma, já podemos desconsiderar a alternativa D, pois afirma que as organizações mencionadas no enunciado se aproximavam do socialismo. Da mesma forma, podemos considerar errada a alternativa A, pois apresenta uma denominação errada para LEC.

Já a sigla COC, refere-se aos Círculos Operários Católicos. Conforme o historiador Raimundo Nonato Nogueira de Oliveira, essas organizações surgiram no Ceará em 1913, com a intenção de neutralizar a influência maçônica no operariado, como também oferecer outra forma concorrente de atuação.

Na década de 1930 já existiam círculos operários nas principais cidades do interior cearense e, começaram a se espalhar pelo restante do país.

Nessa época seu interesse consistia na colaboração entre patrões e operários, passando, pois, a desenvolver uma prática assistencialista e confessional, além de atuar como sindicatos paralelos que se aliaram ao Estado, com o intuito de diminuir a influência da esquerda sobre o operariado. Nesse sentido, a alternativa C nos apresenta informações corretas.

Por fim, LCT se refere à Legião Cearense do Trabalho (LCT). A LCT, também segundo Raimundo N. N. Oliveira, foi fundada pelo tenente Severino Sombra, em 1931. A fundação da LCT está inserida no contexto do lançamento da Encíclica “Quadragésimo Anno” do papa Pio XI, em comemoração aos quarenta anos do lançamento da “Rerum Novarum”, de Leão XIII.

Esse documento papal é uma reafirmação da opção da Igreja Católica pelo capitalismo, onde considera o socialismo e o comunismo incompatíveis com seus princípios. Ou seja, a LCT não possuía caráter socialista. Dessa forma, a alternativa B está errada.

Gabarito: C

Questão 27

O gênero épico medieval nasceu no norte da Europa com o objetivo de cantar as gloriosas aventuras de heróis populares. Frequentemente os autores desse gênero transformavam episódios históricos em estórias míticas. Relacione, corretamente, os locais de criação dos épicos com as respectivas obras, numerando a Coluna II de acordo com a Coluna I. 

Coluna I

1. Inglaterra
2. Escandinávia e Islândia
3. Alemanha
4. Rússia

Coluna II

(   ) Cantos de Edda (séc. IX-XII)
(   ) Conto da campanha de Igor (séc. XIII)
(   ) Poema de Beowulf  (séc. X)
(   ) Canção dos Nibelungos (séc. XIII)

A sequência correta, de cima para baixo, é:

A) 2, 4, 1, 3.

B) 4, 3, 2, 1.

C) 1, 2, 4, 3.

D) 3, 1, 2, 4.

Gabarito: A

Questão 28

Atente para as seguintes afirmações a respeito do Tratado de Tordesilhas, assinado em 7 de junho de 1494:

  1. Seu objetivo foi demarcar os direitos de exploração dos países ibéricos, tendo como elemento propulsor o desenvolvimento da expansão comercial marítima.
  2. Estabelecendo uma linha demarcatória de 370 léguas a oeste das ilhas de Cabo Verde, o acordo atribuía a Portugal e Espanha não apenas as terras já descobertas, mas também as por se descobrirem.
  3. Como se tratava da criação de um sistema de monopólio, impunha uma reserva de mercado metropolitano que atingia todas as riquezas coloniais.

É correto o que se afirma somente em

A) III.

B) I e III.

C) II.

D) I e II.

Resolução Comentada

Está é a típica questão no alvo, você precisa saber o que foi o Tratado de Tordesilhas. Esse tratado, que a gente não esquece nunca o nome, foi o resultado de um acordo internacional de tomada de posso de território estabelecido entre os dois reinos mais importantes na expansão marítimo-comercial: Portugal e Espanha. Podemos considerar, tal como no item I, países ibéricos. Vamos ver em um mapa como ficou a partilha do Tratado de Tordesilhas (linha roxa).

Como o Tratado dizia respeito a uma demarcação territorial, ele não versava sobre normas de mercado. Por isso, o item III está errado.

Gabarito: D

Questão 29

A contribuição dos árabes para o mundo moderno ocidental entre os séculos VII e XI é significativa, especialmente porque alguns valores culturais da Antiguidade Clássica foram difundidos por meio da

A) tradução e difusão, entre os europeus, de importantes obras gregas.

B) distribuição de obras proféticas sobre o destino da humanidade através das estrelas.

 C) introdução de novas técnicas de cultivo e de métodos inovadores da medicina.

D) valorização da ciência experimental não submetida ao pensamento religioso.

Resolução Comentada

  • Alternativa A – É o nosso gabarito, veja o porquê. A partir do século VII, com advento do Islam, tem início uma grande expansão e aperfeiçoamento da língua árabe e uma ampliação do conhecimento a partir do idioma. Devido à expansão geográfica feita neste período, os árabes entram em contato com diversas culturas como a grega, a hindu, a chinesa, a bizantina e a persa. A partir disso, passam a conhecer os escritos e traduzi-los para o árabe, aperfeiçoando a técnica de tradução e divulgação do conhecimento. O Califa Al Mansur, por exemplo, foi o primeiro a financiar as traduções de obras científicas dos indianos e dos filósofos gregos antigos. Seus sucessores continuaram e ampliaram esta prática. Entre os manuscritos traduzidos para o árabe estavam textos desaparecidos de Ptolomeu, Euclides, Galeno. Ainda, no século X, é formada a Casa do Saber em Bagdá, onde é instalada uma das maiores bibliotecas da humanidade.
  • Alternativa B – Falso, pois os mulçumanos do período abordado pela questão possuíam grande apreço pela cultura e pelo conhecimento dos outros povos de forma que a ciência era uma referência para o futuro. Além disso, o islã em si não se baseia nas estrelas e sim nas lições que o profeta Maomé teria recebido de Alah.
  • Alternativa C – De fato, os árabes também contribuíram para essas áreas do conhecimento, porém, o comando da questão é claro ao perguntar sobre a cultura da Antiguidade Clássica.
  • Alternativa D – Falso, pois, desde a fundação do islamismo, no século VI, o pensamento religioso sempre influenciou os distintos campos da vida no mundo árabe. Talvez você se pergunte: mas como assim o islã difundia a ciência? Pois é, diferentemente do senso comum e até mesmo das leituras mais dogmáticas/ortodoxas do islamismo na atualidade, os islâmicos possuíam um olhar voltado para o progresso científico muito mais avançado que as civilizações europeias, as quais estavam na Idade Média. Algo bem diferente de grupos atuais, como o Estado Islâmico, que destroem referências dos saberes antigos.

Gabarito: A

Questão 30

A discriminação racial é um fenômeno mundial. Conforme dados da ONU, até 1989, havia um país em que o racismo estava inscrito na constituição, o que tornava os negros, cerca de 73% da população desse país, estrangeiros em sua terra natal. Assinale a opção que corresponde ao país e à política por ele adotada em relação aos negros.

A) República da Namíbia – Bantustões

B) República da África do Sul – Apartheid

C) República do Zimbabwe – Shona

D) República da Libéria – Coalition for the Transformation of Liberia

Resolução Comentada

Repare que o texto afirma que a ONU identificou “um” país em que o racismo constou expressamente na constituição. Dentre os enumerados nas alternativas, o Regime do Apartheid na África do Sul foi o que adotou o racismo oficialmente me textos legais. Apartheid significa separação na língua falada na África do Sul, o africâner.

O Regime do Apartheid foi iniciado em 1948 pelas elites brancas que viviam na África do Sul, as quais propagavam que os brancos europeus eram superiores aos demais. Para além de uma ideologia, esse pensamento racista foi transposto para diversas leis do país africano, inclusive na Constituição.

Por exemplo, do ponto de vista legal, os “não-brancos” eram impedidos de possuir posses de terra e, claro, de participarem da vida política do país. Agora, atenção, essa discriminação na forma de um Regime Político tem origens no processo de colonização dos séculos anteriores e, principalmente, dos desdobramentos da 1ª Guerra Mundial. Vejam as seguintes leis:

  • Native Land Act (1913): determinou que apenas 7% do território sul-africano seria destinado aos negros, que representavam 75% da população;
  • Native Urban Act (1923): restringia a instalação de negros e outras etnias em áreas consideradas dos brancos;
  • Immorality Act (1927): proibiu relações sexuais fora do casamento entre brancos e não brancos.

Em um contexto já discriminatório, em 1948, o Partido Nacional venceu as eleições utilizando o slogan “Apartheid”. Detalhe, somente brancos podiam votar. É nesse momento que o regime de segregação apartheid é oficialmente adotado no país. Exemplos de leis criadas após essas eleições:

  • Prohibition of Mixed Marriages Act (1949): proibia o casamento entre pessoas brancas e de outras raças;
  • Population Registration Act (1950): essa lei classificava a população entre “grupos raciais”.

Além dos dizeres nas leis e na Constituição da África do Sul, em muitos espaços públicos havia placas com o seguinte: “Para o uso de pessoas brancas”.

Gabarito: B

Com isso, queridos e queridas alunas, finalizo meus comentários sobre a prova e, quaisquer dúvidas, entre em contato comigo.

Instagram: @profe.ale.lopes

CURSOS PARA VESTIBULARES

estrategia vestibulares
0 Shares:
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode gostar também