Última atualizaçao em: 05 de Novembro de 2020, ás 16:26

Em 1994, o geógrafo Milton Santos estabeleceu a diferença entre “urbano”, que seria frequentemente o abstrato, o geral e o externo; e a “cidade”, que seria o particular, o concreto e o interno. A cidade seria para o autor ao mesmo tempo, uma região e um lugar.

No Dictionnaire La ville et l´urbain(2006), a geógrafa francesa Denise Pumain caracterizou a cidade como:

“um meio de habitat denso, caracterizado por uma sociedade diferenciada, uma diversidade funcional, uma capitalização e uma capacidade de inovação que se inscrevem em múltiplas redes de interação e que formam uma hierarquia, que incluem nós de mais em mais complexos que vão desde as pequenas cidades até as maiores”.

Cidades Naturais

As cidades naturais se desenvolvem sem planejamento prévio, fazendo com que cresçam de forma desordenada. Assim, elas comprometem a infraestrutura de transporte, energia, saneamento básico etc.

Cidades Planejadas

Ao passo que as cidades planejadas correspondem àquelas constituídas a partir de um projetou plano diretor discutido e analisado antes da sua execução.

Nesse caso, há uma preocupação com a configuração da cidade. Entre os detalhes estão: a largura das ruas, escolha de espaços específicos para comércio, residências e outras funções.

Cidades

As cidades são classificadas, geralmente, por seu tamanho ou nível socioeconômico. Para o urbanista indiano Aniruddha Dasgupta, porém, a classificação deve ser feita de acordo com as perspectivas futuras desses locais.

Isso porque, segundo o levantamento do WRI (World Resources Institute), instituto em que atua, espera-se que até 2050 a população mundial urbana cresça 60% em relação à atual — o que corresponde a cerca de 2,5 bilhões de pessoas a mais.

Grande parte desse crescimento (90%) acontecerá em centros urbanos de baixa renda da Ásia e da África e, segundo perspectivas, estima-se que boa parte dessa população permaneça na linha da pobreza.

Segundo Dasgupta, o grande desafio das cidades é elaborar estratégias de longo prazo hoje para reverter o ciclo negativo previsto para as próximas décadas.

Cidade em dificuldade

baixo PIB per capita, que nos próximos anos terão um grande crescimento populacional, não acompanhado de um crescimento econômico.

Nessa categoria, estão principalmente cidades da África subsaariana, norte da África, Oriente Médio, América Latina e Caribe. Exemplos são Alexandria (Egito), Lagos (Nigéria), Nairóbi (Quênia) e Tijuana (México);

Cidades emergentes

Projeta-se que essas cidades, hoje com baixo PIB per capita, passem por um crescimento econômico maior que o crescimento populacional. Essas cidades aparentam ter uma capacidade maior de superar a falta de recursos e serviços básicos que apresentam atualmente.

Elas estão no leste e sul da Ásia, Europa, América Latina e Caribe. Exemplos são Phnom Penh (Camboja), Belgrado (Sérvia), Surabaia (Indonésia), Mumbai (Índia), Lima (Peru), Quito (Equador) e Medellín (Colômbia);

Cidades estáveis

São economicamente fortes hoje, com um PIB per capita elevado. No entanto, projeta-se que o crescimento econômico dessas cidades nos próximos anos seja menor que o crescimento populacional.

Há cidades assim na América do Norte, América Latina e no Oriente Médio, como Toronto (Canadá), Austin (EUA), Brasília (Brasil) e Dubai (Emirados Árabes Unidos);

Cidades prósperas

Ricas hoje e com projeção de crescimento do PIB maior do que o crescimento populacional. Elas estão no leste da Ásia, Europa, Ásia Central, América do Norte, América Latina e Caribe. Exemplos são Pequim (China), Bangcoc (Tailândia), Berlim (Alemanha), Boston (EUA), Belo Horizonte (Brasil) e Buenos Aires (Argentina).

Função das Cidades Fonte: TAKAMI, Saulo Teruo

Cabe ressaltar que muitas cidades possuem mais de 1 função. Por exemplo: a cidade de São Paulo é famosa pelo turismo, seja gastronômico, de negócios ou entretenimento, também se destaca pela cultura, indústria, comércio, serviços, universidades etc.

Qual a diferença entre município e cidade?

O primeiro envolve a zona rural e urbana, o segundo somente a urbana. As cidades são classificadas conforme o tamanho, e dentro delas também existe subdivisões.

  • Distrito: é uma divisão administrativa de um município, tendo como finalidade facilitar a gestão.
  • Vila: típica de alguns países europeus, ela é dotada de uma economia quase autossuficiente, localizada em regiões rurais.
  • Aldeia: área satélite de uma vila, caracterizada pela economia de subsistência.
  • Cidade pequena: é aquela que possui até 99 mil habitantes.
  • Cidade média: entre 100 mil e 499 mil habitantes.
  • Cidade grande: acima de 500 mil habitantes.
  • Metrópole: cidades que agregam maior número de atividades econômicas, exercendo influência regional, nacional ou internacional.

Cidade global

Utilizado pela primeira vez em 1886, o termo foi empregado para descrever a relação da cidade de Liverpool, e seu porto, com as redes comerciais ao redor do globo. Atualmente, esse termo é crucial para a definição da ideia moderna de globalização.

Londres,TóquioeNova York possuem um lugar importantíssimo dentro do sistema econômico mundial, atuando como centros fundamentais para o comércio global de bens e serviços.

Uma cidade global não se define estritamente por suas dimensões físicas ou demográficas, na maioria das vezes é difícil identificar o que exatamente caracteriza uma cidade global, mas existem várias características elementares (SASSEN, 1998):

  • Participação em eventos científicos e culturais internacionais;
  • Sistema eficiente de transporte e comunicação;
  • Sede e/ou concentração de filiais multinacionais;
  • Bolsa de valores de influência global;
  • Instituições financeiras de grande porte.

Tipos de cidades globais

As cidades globais possuem uma subdivisão:

Cidades alfa++: são muito mais integradas à economia global do que todas as outras cidades: Londres, Inglaterra e Nova York, Estados Unidos;

Cidades alfa+: preenchem nichos de serviços avançados para a economia global. Tóquio (Japão), Dubai (Emirados Árabes) e Paris (França); 

Cidades alfa: cidades que ligam as principais regiões econômicas à economia mundial. São Paulo (Brasil), Mumbai (Índia) e Milão (Itália);

Cidades beta: cidades que ligam regiões econômicas secundária à economia mundial. Bangalore (Índia), Cairo (Egito), Bogotá (Colômbia);

Cidades gama: cidades que ligam regiões econômicas menores à economia mundial. Adelaide (Austrália), Belgrado (Sérvia) e San José (Costa Rica);

Cidades autossuficientes – cidades que têm um grau suficiente de serviços e que não dependem de outras cidades globais. Belfast (Irlanda do Norte), Ottawa (Canadá) e Turim (Itália).

Megacidade

segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), é a cidade que possui mais de 10 milhões de habitantes. Em 1936, Nova Yorkfoi a primeira cidade a atingir essa marca.

Atualmente, existem 14 megacidades, sendo que somente 4 não se encontram na Ásia: Lagos (Nigéria), Istambul (apesar de a Turquia ser considerada asiática, essa cidade localiza-se na parte europeia), Moscou (Rússia) e São Paulo (Brasil). Dessas 14 megacidades, 5 são chinesas.

Qual a diferença entre cidade global e megacidade?

A primeira não precisa ter mais de 10 milhões de pessoas. Por exemplo: Frankfurt (Alemanha) não possui nem 1 milhão de habitantes. No entanto, exerce influência internacional, haja vista que é o centro financeiro da Europa, abrigando o Banco Central Europeu.

A segunda precisa ter mais de 10 milhões de pessoas. Porém, não apresenta influência global. Por exemplo: Karachi (Paquistão). É possível a cidade ser global e megacidade. Exemplos: Xangai (China), Mumbai (Índia), Istambul (Turquia) etc.

Urbanização Mundial em 1950. Fonte: Ecodebate

Em 1950, apenas as cidades de Nova York (Estados Unidos) e Tóquio (Japão) ultrapassavam 10 milhões de habitantes. Atualmente, existem 14 megacidades. O mapa abaixo mostra uma projeção para 2030, apresentando cerca de 20 megacidades.

Essa tendência tende a aumentar, especialmente na Ásia que concentra o maior número de megacidades, sobretudo na China. Em 1950, a população mundial era de aproximadamente 2,5 bilhões de pessoas. Em 2030, a estimativa será em torno de 10 bilhões, isto é, em 80 anos a população mundial quadruplicará.

Urbanização Mundial em 2030. Fonte: Ecodebate

É isso, pessoal! Espero que tenham curtido essa aula sobre a as Tipologias das cidades. Sigam-me nas redes sociais. Têm muitas dicas lá. Abraços!

Instagram: @prof.sauloteruotakami

CURSOS PARA VESTIBULAR

0 Shares:
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode gostar também