A geografia humana tem sido cada vez mais cobrada nas provas de vestibulares e no Enem. Dentro dessa área, o estudo das populações engloba as teorias demográficas e é um assunto fundamental para o aluno que quer gabaritar a prova de humanidades! Então, não perca esse conteúdo que o Estratégia Vestibulares preparou para te ajudar!

O que são as teorias demográficas?

Com base no estudo das dinâmicas das populações, as teorias demográficas são formuladas para entender os fluxos populacionais e para planejar as políticas do futuro. Aspectos como taxa de natalidade, taxa de mortalidade e migrações são alguns dos critérios levados em conta para a criação de uma teoria. 

Entenda alguns desses conceitos abaixo:

  • Taxa de natalidade: também conhecida como taxa de fecundidade, diz respeito à quantidade de pessoas nascidas em determinado espaço de tempo observado;
  • Taxa de mortalidade: é a quantidade de pessoas que morreram naquele tempo em que foi observada a mortalidade de uma região;
  • Crescimento vegetativo: pode ser considerado como um “saldo” populacional, uma vez que se trata da diferença entre a taxa de natalidade e a taxa de mortalidade de uma dada localidade; e
  • Migração: corresponde a todo deslocamento de pessoas de sua localidade de origem. É dividido, principalmente, entre imigração – chegada a um novo local, o que colabora para o aumento populacional – ou emigração – saída de uma pessoa ou de um grupo de sua nação de origem, o que colabora para a redução populacional. 

É importante lembrar que as migrações estão intimamente ligadas a questões como guerras, ditaduras e pobreza, entre outros fatores.  Pessoas nessas condições se tornam emigrantes, quando saem da localidade afetada, e imigrantes quando chegam a uma nova nação em busca de melhores condições. 

Quais as principais teorias Demográficas?

Diversas teorias demográficas foram formuladas ao longo da história. Contudo, as principais são aquelas que levam em conta o controle da natalidade, como as teorias Malthusiana e Neomalthusiana. Além dessas, a teoria reformista ganhou um certo destaque por se opor aos dois pensamentos anteriores. Veja cada uma dessas a seguir:

Malthusiana

A teoria Malthusiana defende que a disponibilidade de alimentos e o crescimento da população progridem de maneira desordenada. Por isso, a teoria malthusiana é bastante conhecida pela ideia de que a produção alimentícia cresce em uma progressão aritmética, enquanto a população aumenta em razão de uma progressão geométrica.

Logo, Thomas Malthus – economista inglês responsável pela teoria – defendia o controle da natalidade para evitar o colapso populacional e a falta de recursos alimentares, uma vez que, para ele, guerras e pandemias seriam inevitáveis nesse cenário. 

Portanto, a teoria malthusiana defendia que era necessário o controle da taxa de natalidade para conter essa desproporção em relação à oferta de alimentos. Contudo, por ser um homem religioso, Thomas Malthus não defendia os métodos contraceptivos, – reprovados pela igreja.  O controle da fecundidade seria responsabilidade da conscientização e do planejamento familiar.

Malthusiana / - Teorias demográficas

Neomalthusiana

A teoria neomalthusiana continuava a defender que o grande aumento da população seria responsável por um cenário de miséria e, portanto, que era necessário o controle dessa taxa de natalidade, assim como defendiam os malthusianos.

Contudo, nessa teoria demográfica, era defendido o controle da natalidade de forma mais rígida. Recomendava-se o uso de métodos contraceptivos e de políticas antinatalistas, além da continuidade do incentivo ao planejamento dentro de cada família.

Um bom exemplo de país que aderiu à teoria neomalthusiana foi a China, onde cada casal pode ter apenas um filho, o que ficou conhecido como “Política do filho único” – medida imposta nos anos 70.

Atenção, se você se interessou pelo assunto e quer saber mais sobre a teoria neomalthusiana, o Estratégia Vestibulares tem um artigo exclusivo sobre esse conteúdo, e você pode acompanhá-lo clicando aqui!

Reformista

A teoria reformista, também conhecida como teoria marxista, contrariava os pensamentos vigentes por não responsabilizar a população pela alta taxa de natalidade, mas sim, a miséria e a pobreza!

Dessa forma, Karl Marx defendia que o aumento desenfreado da população seria devido à desigualdade social e à má distribuição de renda, já que, para ele, a miséria era a causa do aumento da taxa de natalidade.

O sociólogo, e os demais estudiosos que aderiram ao reformismo, defendiam a necessidade de políticas socioeconômicas que melhorassem a qualidade de vida, como investimentos em educação e saúde. Segundo eles, com a melhor distribuição de renda, as famílias teriam menos filhos.

Características comuns das teorias

Apesar de serem tão diferentes, as teorias demográficas tinham em comum o desejo de compreender a dinâmica da população daquela época para projetar as possibilidades do futuro daquela civilização, com base em dados e análises do presente!

Gostou do conteúdo que o Estratégia Vestibulares preparou para você ir bem na prova do seu vestibular? Então não perca os próximos artigos! Aproveite para conhecer os nossos cursos, que são pensados para você alcançar seu sonho de entrar na universidade. Clique abaixo e confira!

Cursos UFPR - Estratégia Vestibulares
0 Shares:
Você pode gostar também
Leia mais

Como cai a Urbanização no Enem

Os vestibulares requerem dos candidatos conhecimento histórico e geográfico abrangente e dinâmico. Por isso, compreender os temas que…