Construir mapas pode ser uma tarefa complicada quando o objeto estudado tem formato geóide, como o planeta Terra. Nesse sentido, nasceu uma ciência voltada para o desenvolvimento de mapas e instrumentos para entender as áreas geográficas. Ela é muito importante e, por isso, aparece nas provas: estamos falando da cartografia no Enem. 

Para te ajudar a entender esse ramo científico, o Estratégia Vestibulares preparou um resumo sobre cartografia com as principais projeções e história envolvidas na construção das planificações. Confira!

O que é cartografia?

A representação de áreas de maneira gráfica é o significado de cartografia, na geografia. Ou seja, construir, interpretar e analisar mapas, croquis, plantas e outros métodos de retratar regiões específicas.

Sua utilização é de extrema importância para a ciência e para o cotidiano. Por exemplo, a partir de métodos cartográficos é possível se localizar nas ruas, bairros e cidades. 

Com o desenvolvimento da tecnologia de satélites, softwares, computadores, celulares  e outros, a cartografia é utilizada para facilitar o deslocamento do dia a dia com o uso de GPS, por exemplo. 

Além disso, ela amplia o conhecimento sobre áreas distantes ou excluídas: a floresta amazônica possui, como instrumento de monitoramento, satélites para cartografar, vigiar e demarcar suas regiões. Com esses exemplos, note como a cartografia é importante na sociedade atual.

Cartografia no Enem: projeções

Para planificar e representar a ou porções da Terra em um mapa, é preciso recordar que o planeta possui a forma geóide ou esférica. Desse modo, todo mapa cartográfico possui distorções. 

Para amenizar esses desequilíbrios da forma, surgiram diversas formas de projetar e simbolizar uma área terrestre. Conheça, a seguir, as principais projeções cartográficas:

Projeção Cilíndrica

Imagine que você tem uma bola em suas mãos e então envolve o objeto em um papel, de forma que as bordas do papel ficam paralelas entre si. Perceba que o papel formaria um cilindro envolta da bola,  como na imagem abaixo:

Projeção Cilíndrica

Esse é o princípio da projeção cilíndrica da terra. Nesse caso, o desenho obtido fica mais fiel ao original nas regiões próximas ao diâmetro (linha do equador). Quanto mais longe dessa linha, mais distorcida é a figura em relação à realidade.

As linhas coordenadas do mapa, aparecem com ângulos de 90º entre si, e o mapa se assemelha a um retângulo.

Dentre os mapas-muni mais conhecidos, a projeção cilíndrica proposta por Mercator é a mais conhecida. Esse mapa surgiu em um momento de forte inspiração eurocêntrica, veja:

Grande parte da Europa está muito afastada da Linha do Equador e, por essa razão, ocorre uma distorção que torna esse continente maior e “superior” aos outros. Essa projeção, então, tornou-se um instrumento geopolítico para afirmações eurocêntricas.

Projeção Cônica

De modo semelhante ao exercício da bola no tópico anterior, imagine que, agora, você envolve o objeto com um papel em formato de cone. Como na figura a seguir:

Projeção Cônica

Perceba que grande parte da superfície do papel fica atrelada a porção mais polar da esfera. Por essa razão, as projeções cônicas tendem a apresentar maior fidelidade cartográfica na região tropical, de forma que a linha do Equador está mais distorcida. 

Em termos geopolíticos, esse modo cartográfico foi criado por Gall-Peters e foi muito importante para enfatizar a importância e grandeza dos países do hemisfério Sul

Azimutal

Outra projeção cartográfica muito importante é chamada de azimutal e pode ser descrita como colocar a Terra em um plano. Desse modo, apenas a parte que toca a superfície seria representada.

De fato essa é a ideia principal das projeções azimutais, são utilizadas para focar os pólos sul e norte de uma maneira mais realista e menos distorcida. Veja:

projeção azimutal

Cartografia no Enem: escala 

Quando mapas são construídos, é sabido que uma grande região está representada em um papel de pequenas dimensões. Para construir uma proporção entre o real e a representação cartográfica, é preciso estabelecer um parâmetro.

Nesse sentido, as escalas são modos de dimensionar e relacionar as medidas da realidade. Elas podem ser descritas graficamente ou em forma de numérica, confira a seguir.

Escala Gráfica

Esse tipo de escala é construída a partir de uma “régua” representativa que relaciona medidas do mapa com medidas que dimensionam o real. Veja a imagem abaixo:

cartografia - escala gráfica - Ev

Note que a imagem indica que cada centímetro do mapa corresponde a 25 km da vida real. Por exemplo, se a distância entre as cidades A e B for de 5 cm no mapa, qual será a distância real entre elas? Para estabelecer medidas e alcançar as proporções, é preciso estabelecer regras de três:

25 km ——- 1 cm
   x      ——- 5 cm
x = 125 km

Assim, a distância real entre as duas cidades é de 125 km. 

Escala Numérica

A escala numérica é uma razão que dimensiona a proporção entre a realidade e a representação. 

Por exemplo, a escala 1:10000 demonstra que a cada centímetro do mapa, tem-se 10000 centímetros na vida real. Por meio da regra de três, pode-se calcular qual a distância entre as casas C e D, que apresenta distância de 3 cm no mapa:

1 cm ——- 10000 cm

3 cm ——- y

y=30000 cm 

Por meio de conversões de unidade, encontra-se que a distância entre as cidades C e D é de 300 metros.

Nível de detalhamento

As escalas podem ser muito detalhistas ou pouco, conforme a necessidade do contexto. Quanto menor o denominador, maior o tamanho dos objetos no mapa, maior será seu detalhamento, mas a área de abrangência é pequena.

De modo análogo, quanto maior o denominador, menor o tamanho das representações, menos detalhado é o mapa e maior é a área coberta por ele.

Cartografia e escala - Estratégia Vestibulares


Questão de Cartografia no Enem

No preparo para o vestibular, o treinamento com questões auxilia na compreensão dos diversos aspectos dos assuntos. A seguir, resolva uma questão sobre cartografia e confira a resposta proposta pelo Estratégia Vestibulares. 

ENEM 2016

A projeção cartográfica do mapa configura-se como hegemônica desde a sua elaboração, no século XVI. A sua principal contribuição inovadora foi a

Exercício de cartografia no Enem

a) redução comparativa das terras setentrionais.
b) manutenção da proporção real das áreas representadas.
c) consolidação das técnicas utilizadas nas cartas medievais.
d) valorização dos continentes recém-descobertos pelas Grandes Navegações.
e) adoção de um plano em que os paralelos fazem ângulos constantes com os meridianos.

A projeção demonstrada no mapa forma ângulos de 90º entre as coordenadas, de forma que é possível inferir que seja a projeção cilíndrica de Mercator. Por isso, a alternativa correta é a letra E

Assista uma aula grátis de Cartografia no Enem

Quer aprender mais sobre geografia e cartografia no Enem? Acompanhe o canal do Estratégia no youtube e fique por dentro do assunto e suas nuances. Na aula abaixo, veja as dicas, conceitos mais importantes e como aparece esse tema nas provas:

Precisa treinar mais seu conhecimento geográfico? Conheça o banco de questões do Estratégia Vestibulares: lá você encontra diversos exercícios resolvidos que te ajudarão no seu desenvolvimento para a aprovação no curso dos sonhos. Clique no banner abaixo e confira.

banco de questões estratégia vestibulares

Seleção de conteúdos da Coruja:

Você pode gostar também