Última atualizaçao em: 05 de Novembro de 2020, ás 15:37

Olá, pessoal… Tudo bem? Sou o prof. Fernando Andrade, do Estratégia Vestibulares, e escrevo este artigo para resolver as questões de Filosofia da 2ª Fase da UNESP 2020. Vamos à resolução??

2ª Fase UNESP 2020 – Filosofia

Questão 11

Texto 1

A Estética sob o aspecto de mera “ciência da sensibilidade” chega ao seu fim no século XX e é progressivamente substituída por um discurso que conjuga racionalidade e afetividade. Agora será preciso tentar compreender aisthesis não mais através da dicotomia tradicional entre senso (razão) e sensível (afetividade), mas como uma experiência simultânea de percepção sensível e percepção de sentido (racional). (Charles Feitosa. Explicando a filosofia com arte, 2004. Adaptado.)

Texto 2

Inicialmente Kant opera com o termo estética na Crítica da razão pura segundo o significado de conhecimento sensível, no campo da teoria do conhecimento. Nessa obra, a estética designa uma importante parte da teoria do conhecimento. Segundo Kant, “sem sensibilidade nenhum objeto nos seria dado, e sem entendimento nenhum objeto seria pensado. Pensamentos sem conteúdo são vazios, intuições sem conceito são cegas”. O conhecimento possui duas partes. (Marco Aurélio Werle. “O lugar de Kant na fundamentação da estética como disciplina filosófica”. In: Doispontos, vol. 2, no 2, outubro de 2005. Adaptado.)

a) Qual o principal objeto de investigação filosófica da disciplina Estética? Por que a Estética é tradicionalmente associada à sensibilidade?

b) De acordo com o texto 2, quais são as “duas partes” do conhecimento? Qual a importância da estética na produção do conhecimento?

Resolução

a) O principal objeto da Estética  é o belo.  O belo  é experimentado através das sensações (5 sentidos), uma obra de arte deve ser vista, ouvida, tocada etc. As sensações despertam a afetividade (emoção).

b) De acordo com o texto 2, quais são as “duas partes” do conhecimento? Qual a importância da estética na produção do conhecimento?

Segundo o texto 2, sensibilidade e o entendimento (razão) são as duas partes do conhecimento.  O texto afirma que, sem sensibilidade, nenhum objeto seria dado ao conhecimento. Isso também é reiterado pelo texto 1, quando afirma que, mesmo na Estética,  é preciso considerar razão e sensibilidade.

Questão 12

Uma questão que acompanha todo o pensamento medieval, e é um foco permanente de tensão na filosofia cristã durante esse período, constitui o que ficou conhecido por “conflito entre razão e fé”. Mesmo os defensores da importância da filosofia grega admitirão que os ensinamentos dos textos sagrados têm precedência e, portanto, só podem ser aceitas doutrinas filosóficas compatíveis com esses ensinamentos. Podemos dizer que a leitura que os primeiros pensadores cristãos fazem da filosofia grega é sempre altamente seletiva, tomando aquilo que consideram compatível com o cristianismo enquanto religião revelada. Portanto, o critério de adoção de doutrinas e conceitos filosóficos é, em geral, determinado por sua relação com os ensinamentos da religião. Nesse sentido, privilegia-se sobretudo a metafísica platônica, com seu dualismo entre mundo espiritual e material. (Danilo Marcondes. Iniciação à história da filosofia, 2004. Adaptado.)

a) Qual o nome da teoria dualista formulada por Platão, indicada no texto? Explique essa teoria.

b) Em que consiste o conflito entre razão e fé, no período medieval, abordado pelo texto? Explique como esse conflito contribuiu para a “seleção” do dualismo platônico pelos primeiros pensadores cristãos.

Resolução

a) O nome da teoria dualista é teoria do mundo das ideias, que supõe a separação entre mundo sensível e mundo inteligível. Para Platão, o conhecimento percebido pelos cinco sentidos é falho, mundo das sombras, pois se dá tendo como objeto o mundo material, corruptível; o mundo percebido pela razão, pela ideia,  proporciona conhecimento perfeito, pois a ideia é imaterial.

b) O conflito entre fé e razão decorre do fato de que a fé deveria ter primazia sobre a razão, ou seja, sobre a filosofia (“a filosofia é serva da teologia”). A divisão entre mundo terreno e mundo espiritual era semelhante à divisão feita por Platão entre mundo sensível e mundo inteligível. A Igreja pôde se valer dessa teoria para  dividir o mundo entre  mundano e espiritual e destacar  a fé como mais importante do que a razão.

É isso, pessoal. Se ficou alguma dúvida, entre em contato conosco através do Fórum de Dúvidas ou pelas redes sociais. Você pode baixar esta resolução de forma gratuita. Deixei o arquivo logo a seguir.

AbraçoS,

Prof. Fernando Andrade

Instagram: @filosofia.do.portuga

CURSOS PARA UNESP

0 Shares:
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode gostar também