A Biologia é a ciência que estuda a vida, com o objetivo de compreender o ser vivo e suas relações com o ambiente em que vive. Nesse sentido, a pesquisa biológica visa entender o desenvolvimento das espécies que habitam o planeta. Para isso, existe a Teoria da Evolução que discorre sobre a descendência e ascendência dos indivíduos.

Esse assunto é muito recorrente nas provas seletivas de todo o Brasil, devido a isso, este artigo do Estratégia Vestibulares apresenta os fundamentos desse conteúdo. Acompanhe!

O que é a Teoria da Evolução?

A Teoria da Evolução compreende a noção de que os indivíduos podem transmitir determinadas características a seus descendentes. Porém, os autores divergem quanto a forma que esses traços serão repassados. 

Alguns pesquisadores indicam um processo evolutivo gradual e lento, em contrapartida, existem vertentes que acreditam na imutabilidade das espécies. Essa divisão de pensamento é classificada da seguinte forma:

  • Evolucionismo: acredita que um ser primitivo deu origem a outros seres. Em seguida, ocorreram modificações sucessivas durante milhares de anos. No decorrer do tempo, as alterações se acumularam e originaram espécies novas, que formam novas mudanças e continuam o sistema evolutivo; e 
  • Criacionismo: crê na formação do homem por obras sobrenaturais, com intervenção do Ser Divino. Essa categoria infere que os seres foram formados de forma exclusiva e perfeita, ou seja, as espécies não mudam e não evoluem.

Quem criou a Teoria da Evolução?

A Teoria da Evolução é fruto das pesquisas de diversos cientistas. Assim, existem quatro principais teorias que englobam o evolucionismo.

Em 1809, Jean Baptiste de Lamarck publicou a primeira teoria evolutiva chamada Lamarckismo. Em seguida, após analisar a natureza e ler pesquisas de Alfred WallaceCharles Darwin divulgou um livro que sintetizava os princípios do Darwinismo. Posteriormente, outros autores se empenharam em analisar esses trabalhos e, com isso, surgiram novas tendências teóricas, como o neodarwinismo. Recentemente, depois de muitas descobertas sobre o código genético, surgiram Teorias Modernas que visam explicar a evolução das espécies.

Abaixo, descubra como cada hipótese funciona.

Quais são as teorias da evolução?

O que é o Darwinismo?

A Teoria Darwinista, por sua vez, é a base dos estudos evolutivos atuais.

Darwin publicou sua pesquisa após estudar a natureza das ilhas de Galápagos, quando viajou ao arquipélago. O cientista percebeu que os bicos dos pássaros eram adaptados para a alimentação específica da ave e analisou essa curiosidade em seu livro “A origem das espécies por meio da seleção natural, ou a preservação das raças favorecidas na luta pela vida”.

Com seus estudos, Charles Darwin concluiu que todos os indivíduos resultam de um ancestral comum que sofreu mudanças. Para ele, as alterações eram mediadas por uma pressão seletiva ou seleção natural. O pesquisador nomeia como seleção natural (ou pressão seletiva) as características do meio ou dos mantimentos. Assim, notou-se que os indivíduos mais adaptados às condições do ambiente estão mais propensos à sobrevivência e à reprodução

Como exemplo, em um ambiente de clima polar a taxa de sobrevivência dos pinguins será muito maior quando comparada à taxa de sobrevivência de galinhas. Assim, a adaptação corporal dos indivíduos seleciona aqueles que se estabelecerão em um local e, sequencialmente, se reproduzirão. 

Neodarwinismo ou Teoria Sintética da Evolução

O Neodarwinismo ou Teoria Sintética da Evolução adota as pesquisas de Darwin e adiciona novos estudos genéticos ao evolucionismo.

Os neodarwinistas acreditam na variabilidade genética, mutação e recombinação gênica como fatores atuantes na evolução das espécies. Com base nos estudos mendelianos sobre os padrões de herança genética, foi possível desenvolver a genética de populações, que analisa a frequência gênica em um grupo específico. 

Mas afinal, como ocorre a variação genética?

  •  Recombinação gênica: é a mistura de genes que resulta em uma nova combinação que expressa diferentes características. 
    • Recombinação por Crossing-Over: durante a divisão celular meiótica ocorre transferência de material genético entre cromossomos homólogos, o que gera maior número fenotípico na prole.
    • Recombinação por Reprodução Sexuada: ocorre a fusão de gametas que se somam geneticamente e geram um novo indivíduo.  
    • Segregação Independente: os cromossomos de um indivíduo são heranças genéticas com 50% de proveniência materna e 50% de origem paterna.
  • Mutação: no DNA ocorrem alterações, aleatórias ou induzidas por fatores externos. A mutabilidade é seguida pela pressão seletiva que determina quais genes mutantes estão mais adaptados ao ambiente em que se encontra o indivíduo. 

Por fim, a Teoria Moderna da Evolução estuda também a localização das espécies, que podem resultar em alterações genéticas. 

O fluxo gênico é resultado das migrações de entrada ou saída em um determinado espaço, tais movimentos demográficos permitem a mudança da frequência dos genes em indivíduos de uma mesma região. 

Além disso, a deriva genética ocorre quando mudanças drásticas se passam em uma região, ocasionando a perda exponencial de espécies e genes. Como exemplo, as grandes catástrofes naturais que dizimam populações animais.

Nota-se, então, que o neodarwinismo aprimora as pesquisas darwinistas e traz hipóteses experimentais que comprovam a evolução genética das espécies.

Lamarckismo

Como já citado, o primeiro estudo evolutivo existente foi proposto por J.B. Lamarck, que formulou a lei do uso e desuso e a lei da transmissão dos caracteres adquiridos para explicar a árvore evolutiva.

Para Lamarck, quando um ser vivo apresenta uma necessidade, suas ações se direcionam para solucionar tal problema. Na fisiologia, isso se manifesta quando o indivíduo passa a utilizar mais frequentemente alguns membros corporais do que outros. Com o passar do tempo, os órgãos pouco usados se atrofiam. Por isso, durante a reprodução, essas partes corporais não são transmitidas para a descendência. Opostamente, o elemento corporal que foi muito manuseado é capaz de se desenvolver amplamente, e será incorporado na próxima prole.

Como exemplo,é proposto que as girafas tinham pescoço curto e sofreram ação das leis lamarckistas. Imagine que um animal está em um local com árvores muito altas e não consegue alcançar o alimento. Então, o bicho resolve esticar a cabeça diariamente para satisfazer sua fome. Com o passar do tempo,  o pescoço do animal torna-se alongado, pois o músculo foi desenvolvido por meio da lei do uso e do desuso. A prole desse indivíduo nascerá, então, com o pescoço longo – conforme enuncia a lei dos caracteres adquiridos. Note que o uso do membro propiciou alterações das características desse ser, que as transferiu para seus descendentes – o que originou as atuais girafas.

É válido ressaltar que embora o lamarckismo contribuiu para o desenvolvimento do evolucionismo, as leis lamarckistas não são bem aceitas pela comunidade científica atual. Considera-se que outras hipóteses evolutivas sejam mais coerentes com os dados experimentais encontrados.

O que é o Criacionismo?

Geralmente, o desenvolvimento das teorias criacionistas decorre de bases religiosas. Muito embora existam pesquisas científicas que analisam essas ideias, como a Teoria do Design Inteligente, esse assunto é pouco abordado pela sociedade científica.

De toda forma, o criacionismo é parte da cultura e educação de muitos países e povos.

Agora você já compreende melhor as características das Teorias da Evolução e pode responder tranquilamente questões sobre o assunto. Para encontrar novos temas e exercícios sobre biologia, acesse o Blog do Estratégia Vestibulares

Conheça também nossos cursos preparatórios, clique no banner abaixo e confira!

Banner Estratégia Vestibulares
0 Shares:
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode gostar também
Leia mais

Espirilos: o que são e o que causam?

No contexto dos vestibulares, é muito importante estar atento aos assuntos biológicos, que costumam ser cobrados como conteúdos…